Quase a metade dos softwares usados no Brasil não são licenciados, diz estudo

Apesar de a pirataria ter diminuído nos últimos tempos, com menos programas sem licença sendo usados hoje que há um ano, cerca de 46% dos softwares utilizados no Brasil não estão devidamente licenciados. Esse é um dado fornecido pela entidade formada pela aliança de diversas empresas de grande importância no mercado da tecnologia, como a Microsoft, Apple, IBM e Salesforce, chamada Business Software Alliance (BSA), que realiza o levantamento a cada dois anos.
O Brasil recorre menos aos softwares ilegais, quando em comparação aos outros países da América Latina. Entretanto, o uso de programas não licenciados no país ainda é marcadamente superior à média internacional, de 37%. Mercados mais consolidados e fiéis aos produtos originais apresentam estatísticas bastante diversas, como os EUA com apenas 15% de softwares piratas, e o Japão, com 16%.
Antônio Eduardo Mendes da Silva, diretor da BSA no Brasil, afirma: “O Brasil segue em tendência de queda, teve uma redução de um ponto percentual em relação a 2016, mas ainda está longe de um patamar ideal”.
Os problemas em se utilizar softwares não licenciados vão além de um dilema meramente moral: programas que não recebem atualizações oficiais constantes acabam por tornar a segurança digital mais falha, uma vez que estão mais expostos a vulnerabilidades e, portanto, a ciberataques.
FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/mercadoaberto/2018/06/quase-metade-do-software-utilizado-no-brasil-e-irregular-aponta-entidade.shtml

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Outros Posts

COMPLIANCE EM PROPRIEDADE INTELECTUAL

COMPLIANCE EM PROPRIEDADE INTELECTUAL

O Compliance em Propriedade Intelectual mostra-se cada vez mais relevante no mercado. Isto porque, trata-se de uma ferramenta inteligente às empresas quando da prática da

Livros digitais: imunidade tributária

Livros digitais: imunidade tributária

Recentemente, o Supremo editou a súmula vinculante n. 57, a qual estende a aplicação da imunidade tributária de livros e periódicos ao livro eletrônico (e-book)

Envie seus dados

Entraremos em contato o mais breve possível.